quinta-feira, 28 de março de 2013

Filhas das Estrelas - epílogo

Donato está voltando para casa, o engarrafamento é monstruoso, os motoristas discutem, se agridem fisicamente e ninguém mais se entende. Ele abandona o veículo no acostamento e segue a passos rápidos para sua residência, mas  não encontra a família por lá, os móveis foram revirados. Portas abertas, ele percebeu a fuga precipitada de Célia. As casas dos vizinhos também se encontram no mesmo estado de abandono. Don começa a perambular pelas ruas em busca de pistas. Uma pancada surda explode em sua cabeça e a escuridão apaga-lhe a consciência.
Enquanto isso, o grupo de Petrônio chega são e salvo  a uma região de montes nevados, cabanas de madeira circundam uma construção de pedras, talvez um velho mosteiro. Reunidos naquele salão onde o tempo parece não passar, se encontram homens e mulheres de vestes longas e cores sóbrias.
Uma senhora de cabelos ruivos, toma a palavra:
- Tudo que estás vivenciando até agora, Célia, foi plasmado por nós, até nossos corpos, pois somos pura energia, não possuímos corpos físicos.
- Mas por que me escolherem e a minha filha entre tantas pessoas? Redarguiu a visitante.
A mulher ruiva retoma a palavra:
- Seus átomos e, consequentemente, da sua filha, tiveram origem na nossa galáxia, vocês são nossas filhas, não te lembras da tua capacidade paranormal de prever o futuro? Herdaste isso e muito mais dos nossos antepassados. E seguirás conosco, se quiseres, para aumentar teu potencial de poderes e de sabedoria. Aceitas a nossa proposta?
O rosto de Célia se ilumina e sua mente se abre para uma percepção maior do momento importante em que está imersa. Mesmo assim, impõe uma condição:
- Só iremos se Don também concordar. Somos uma família...
De repente, surge na parede em frente, uma tela com a imagem de um homem ferido na cabeça, era seu esposo. Célia solta um grito de desespero e revolta-se contra seus protetores: - Por que vocês não o salvaram?
- Espere, moça! Intervém um homem baixinho, vestido com uma roupa artesanal de algodão cru. Ele vai sair dessa, mas por ter participado de temíveis experiências com os códigos genéticos da natureza e do homem, seus inimigos estão tentando eliminá-lo. Não conseguirão, vamos impedi-los e ele vai fugir.
- Mas que culpa ele teve? Abram o jogo! Célia altera a voz.
O homenzinho responde: - Ele tinha o livre arbítrio e, por ambição e vaidade da sua brilhante inteligência, prosseguiu nesses trabalhos que estão colocando em risco a sobrevivência do planeta. Porém, já sabemos que houve mudanças no seu caráter. Ele se arrependeu e pode desfazer o mal que ajudou a criar. Essa atitude o salvará, acredite.
Passaram-se alguns dias e ao entrar no quarto da filha, Célia se depara com uma cena comovente. Era Don que, abraçado a Íris, chorava copiosamente. Ela se aproximou e os três...bem, os três se transformaram em um. Essa, quem sabe, seja uma cabala que só o amor explica.
A casa agora, parecia totalmente vazia. Numa manhãzinha amena, saem para passear pelas redondezas e se deparam com uma construção metálica de luminosidade diferente. Don pediu que a mulher e a filha parassem e foi ter com Petrônio que se encontrava à entrada daquele aparelho de forma circular. Conversaram em voz baixa.
Em seguida, os quatro deram-se as mãos e embarcaram felizes naquele objeto não identicado. Seria um disco voador? Por que não?
Afinal,vocês pensam que estamos sozinhos no universo?

Nota explicativa: Em 1958, eu, minha família e toda a população do Estado do Rio de Janeiro, avistamos evoluções de alguma coisa que voava nos céus, e que deixava fortes rastros azulados. Não era avião, nem balão, nada que os homens de ciência da época pudessem explicar. O noticiário foi  farto sobre  a insólita ocorrência.

Uma Páscoa de Paz para todos!

22 comentários:

Graça Pereira disse...

Muito interessante esta história que...até pode ser real! Por aqui também foram vistos muitos ovnis... acredito que não estamos sós e que muita coisa poderá mudar para melhor.
Por nossas mãos? Com ajuda exterior? Não sei! mas o ponto caótico a que este mundo chegou...só encontra um caminho: Mudar rapidamente!!
Uma Páscoa Feliz para ti e família...com muitos ovos de chocolate porque...eu adoro chocolate que se dane...as gordurinhas.
Mil beijocas
Graça

O Sibarita disse...

Que "Epílogo"" magistral!

Um belo fechamento para um texto cheio de suspense, você agora é a tal do suspense, viu? kkkkk

FELIZ PÁSCOA!

O Sibarita

Olhos de mel disse...

Amiga querida; estou ainda viajando no maravilhoso final! Quem diria que a história tomaria esse rumo? Simplesmente surpreendente, viu? Eu também acredito que não estamos sozinhos por aqui. Por que a terra seria privilegiada?
FELIZ PÁSCOA, querida!Pra todos da família.
A surpresa também foi a vinda de meu filho, minha nora e Arthurzinho...
Beijos meu e do seu netinho.

isa disse...

Bom dia, Vanuza querida.
A sua prosa prende-me aqui.Leio-a com
imenso prazer.
Tb eu acredito que há mais vida no Universo.Desde menina que penso assim.
Páscoa Feliz!
Até à volta.
Beijo.
isa.

Eva disse...

Queridinhos (deixa eu falar assim pra vocês que estão no meu coração) venho desejar-vos uma Páscoa feliz cheia de saúde, paz, luz e harmonia.
PS-Gostei do final da Filhas das Estrelas. A nossa vida é como um boomerang mas a maioria acha que é de sentido único.

Bjsss pra vocês

ONG ALERTA disse...

Uma Páscoa iluminada beijo Lisette.

ReltiH disse...

UN CAPITULO MUY EXTRAÑO, PERO MUY BUENO.
UN ABRAZO

...Drika disse...

Oi amiga... estou passando para desejar uma santa e abençoada Páscoa... que ela "ecoe" em todos os dias de sua vida, trazendo sempre a novidade de Cristo em nossos dias... bj no coração!

cirandeira disse...

Eita Van! Esse final do conto foi mesmo surpreendente! OVNI, disco voador? Sabe que até seria uma boa?
Seria uma alternativa razoável se pudéssemos escolher passar uns tempos fora daqui; se gostássemos ficaríamos por lá, se não, voltaríamos :)
Essa aurora boreal do cabeçalho é uma imagem belíssima, aliás, o blog está recheado de belas imagens!

beijo grande, querida!

Daniel Costa disse...

Querida Vanuza

A tua experiência literária de ficção científifica, mosta bem as tuas potecialidades de escritora. Gostei da tua narração, muito agradável, por escorreita. Este post, mostra um epílogo à grande altura, está muito bem conseguido.
Beijos de sincera amizade

Cultura Malcriada disse...

E aí, Van!

Como diria Carl Sagan (se me recordo bem, acho que foi ele), seria um disperdício enorme de espaço se estivéssemos realmente sozinhos no universo.

Bjão!

ONG ALERTA disse...

Estamos cercados de energia, beijo Lisette.

Severa Cabral(escritora) disse...

Boa noite minha querida !!!!!!!!!!!!
Já era pra ter vindo por aqui para ler esse texto fenomenal do qual sem o lado espiritual não temos como entender o plano material.São tantas vidas que vivemos que nos torna difícil muitas vezes um entendimento.
Desejo que sua Páscoa tenha sido de fraternidade e muita paz com a família ...
bjs minha flor !!!!!!!!!!!!!

Fa menor disse...

Há sempre uma história meio real, meio ficção, que se cruza no nosso caminho.

Boas Festas Pascais!

Bj

Evanir Garcia disse...


As coisas mudam
Depois de um tempo você começa a perceber que nada nessa vida é
pra sempre e que tudo pode de alguma forma ser mudado,
percebe também que as pessoas mudam, que os pensamentos mudam,
e que se você não mudar, a vida muda você
amar significa se dar por inteiro
que verdadeiros amigos são,aqueles do qual sentimos
saudades .
Quando penso saber de tudo ainda não aprendi nada.
a natureza é a coisa mais bela na vida.
Deus não proíbe nada em nome do amor.
o julgamento alheio não é importante.
o que realmente importa é a nossa paz interior.
se pode conversar com estrelas
se pode confessar com a lua falar das saudades,
que inevitavelmente dói ,e feliz é aquele que tem motivos para
sentir..
Lindo e abençoado seja seu Dia bençãos de Deus
para você ,Beijos e carinhos meus ,Evanir.

O Árabe disse...

Digno fecho de uma bela narrativa! Mas... sabe? Este epílogo me parece o prólogo de uma nova obra! :) Muito bom, bom resto de semana.

MARILENE disse...

Você escreveu um ótimo conto, com riqueza de detalhes e bastante criatividade. Não creio que, no universo, só a terra seja habitada.
Há tanto na história que não se explica.
Um final que trouxe surpresa.
Bjs.

Lilá(s) disse...

Depois de umas curta ausência, aqui estou para colocar a leitura em dia...sou fã ficção e adoro suspense...quando há mais? rsrsrs
Beijinhos

MARILENE disse...

Vim ver se já havia iniciado outro conto(rss). Sabe que isso vicia? Bjs.

O Sibarita disse...

Ei, parou por que? Por que parou de postar um novo suspense dona moça? kkkkkkk

Eita mulher dádiva, meu Deus! kkkk

O Sibarita

Rodrigo disse...

A humanidade busca sua essência em cada ser.
Nossas escolhas são responsáveis pelo nossos destinos.
Está em nós a mudança interior que
revolucionará nossa história!

Um Grande Beijo!
Rodrigo

Olhos de mel disse...

Amiga Vanuza; dei uma paradinha aqui para ouvir a musica skyline pigeon, enquanto relia o epílogo maravilhoso!
Amiga já está pensando no próximo? rsrsrsrsrsrs Já pensou em escrever um livro de pequenos contos?
Beijos